Não existe mais Romeu, Julieta!

16 de julho de 2012

Foi numa dessas noites escuras que eu peguei meu violão e debaixo da janela do seu quarto eu cantei uma canção, a mais bela que já consegui escrever, aquela que fala sobre amor. Foi nessa hora que o mundo inteiro passou a se alegrar, como se eu fosse mais um Romeu descrito em uma história de nada romântica.

Quando eu saí da sombra do seu corpo, pude ver a luz batendo no seu rosto. Por quê nós não podemos ficar juntos? E você começou a sorrir, do jeito quase tímido de todo dia, mas parecia até feliz que eu tinha voltado pra sombra do seu rosto.

Mas você lembra das milhares de razões que nos separam e pergunta qual a solução. Eu não tenho respostas, não gosto de perguntas nem de ovo frito. Nesse jogo de dados, eu sempre apostei no seu número. E então você me fez explodir o coração? E eu esqueci de terminar a canção.

Você sabia que apenas o tempo estava errado? O verbo que ficou no passado?

Nossas ruas são diferentes, os caminhos as seguem e a gente então não pode mais se ver. Tenho vergonha de não poder sair do trilho, da trilha que construíram para nós dois. Foi quando eu tive um sonho, e sonhei o seu por acaso. Agora o sonho é real, e eu não quero mais dormir.

E você ainda me olha como se eu fosse apenas mais uma das suas apostas furadas.

Quando a diferença das correntes de ouro para a de prata ficarem claras, a gente pode entender que nada disso realmente aconteceu. Nós dois nos perdemos em pesadelos e marés sem remos. Quando se apaixonar por outros e todas as promessas que não cumprirão.

Eu prometo estar aqui e aposto que não vou cumprir também. Se eu não posso te amar como as estrelas no céu, vou te amar até o fim. Mesmo sabendo que a hora foi errada.

E tudo não passou de um filme de amor. Que a TV repete desesperadamente tentando trazer mais amor ao mundo. E nós dois não conseguimos mais olhar nos olhos e perguntar. Que horas são, realmente?

Se eu conseguisse repetir as falas dos atores. Se eu conseguisse fazer uma canção de amor. Não posso fazer tudo, mas faço qualquer coisa por você. Nada além de amar você. Sentir saudades dos nossos dias frios, das noites quentes, das chuvas e do sol na sua pele.

Só posso ser a sua pior companhia. E beijar você junto às rimas da canção que toca no rádio. E com você o tempo todo estou junto as estrelas. Mesmo na hora errada.

E quando eu canto debaixo da sua janela, a mesma pergunta eu me faço olhando o vazio da sua casa. Por quê nós não podemos ficar juntos? Como Romeu e Julieta.

Ps. SERÁ SE FAZ ALGUM SENTIDO OUVINDO “ROMEO & JULIET” DO DIRE STRAITS?

%d blogueiros gostam disto: