Entre Ramones e Eclipse.

19 de julho de 2010

O caminho da sala pro banheiro nunca foi tão belo. Eu, sentado no sofá, ligo meu som. Sandra Rosa Madalena. E você, levanta da sua leveza, e com passinhos de uma dança só sua. (Aquela mesma daquele dia que achou 50 reais no chão do Reggae). Repetindo pra mim, O MEU SANGUE FERVE POR VOCÊ. Nem ligo que seja a música errada, nem ligo pro alarme da cozinha, nem ligo pro interfone insistente dizendo que a pizza chegou.

É Primeiro dia. Ontem mesmo eu pensei em acabar com tudo, e vocÊ veio me dizer que ia se mudar pra minha casa. Perdi a minha razão bem ali entre seu pescoço e seus seios. Vejo que aprendeu bem a arte de fazer o olhar do Gato de Botas que ensinei. Concordo após 2 segundos e meio. Sou tão fácil, às vezes. Várias vezes penso uma coisa e faço exatamente o contrário.

Não resisto a sua tentação. Lembro de como me convenceste a pular de para-quedas. Na verdade, até hoje não sei como me convenceste a pular. Lembro só de eu ter que me segurar em queda livre pra não sujar as calças. Depois, no quarto, a recompensa foi compensadora.

Às vezes me sinto um cachorro adestrado agindo por um pouco de comida ou qualquer coisa parecida. Você aprendeu a me usar. Logo eu que escondi tão bem meu manual de instruções.

Você soube ler minhas entrelinhas, se alojar numa parte do meu coração em que minha tecla DEL não alcança. Nessas horas penso que o amor é uma doença contagiosa. Então esqueço tudo por que você volta do banheiro enxugando o rosto com minha camisa do Ramones exibindo a calcinha. Perguntando pela pizza já cortada em cima da mesinha de centro.

– Vamos pro cinema ver Eclipse?
– De novo?
– É. Deu vontade.

Arrependo-me duramente do dia que deixei ela vir morar aqui. Agora é o jeito. Hey ho, let’s go!

Novos Horizontes

29 de abril de 2010

“Time que está ganhando não se mexe” é uma das maiores mentiras que já ouvi e venho ouvindo nessa vida. Comodismo é um grande defeito, meu e das pessoas. Manter as coisas como estão, não tentar melhorar, não tentar mudar o que está errado, já que as coisas certas são mais e dão mais resultados.

Assistindo ao jogo Atlético-mg x Santos deu pra ver isso. Estava claro que o meio campo do Santos não estava preparado pra enfrentar o Galo, um novo desafio. Algo diferente. É, não se pode ser fechado à mudanças. Conheço amigos que não mudaram por nada, depois de 13 anos são os mesmos em quase tudo. Eu até me considero um cara que mudou de opinião ao longo dos anos.

O certo era que o Dorival deveria ter previsto isso. Colocar o Mancha no lugar do Marquinhos era o certo, não adianta jogar bonito se não vencer campeonatos. É muito bonito ouvir falar da seleção de 82, mas não ganhou. (ponto).

Não adianta nada a gente falar, falar, falar se não agir conforme. Se não obter resultados. Falarem que sou inteligente, que sou isso e aquilo, mil elogios, é legal. Mas cadê os resultados práticos? Somos amigos, se sim, então beleza, se não vamos ser?

Quando o Mancha entrou o Santos voltou a dominar o jogo. Liberou mais o Ganso e o Wesley. Pronto, jogo dominado. Só faltava o gol. E saiu…tudo bem, perdemos 3×2, mas foi um resultado normal. O Galo jogou bem, poderia ter feito mais, mas…

Não falarei de George Lucas, nem da máscara do André.

Então, pessoal, temos que saber planejar, prever que algo pode mudar. Nem sempre as coisas acontecem do mesmo jeito. Temos que nos adaptar. Mudar. Arriscar. Nesse momento da vida é mais ou menos isso que estou buscando…novos ares. Mantendo o que de bom consegui até hoje, meus amigos.

*Sempre salvarei quando você precisar*

%d blogueiros gostam disto: