Seu cheiro agridoce

2 de agosto de 2010

Talvez eu tenha um coração vagabundo que sai abanando o rabo atrás de todas as damas que encontra. Talvez eu apenas seja um cara carente. E durma nas praças pensando nela. Aprendi com teóricos do assunto que um homem pode amar uma mulher a vida toda só porque ela segurou a porta do elevador pra ele entrar. Não sou tão fácil assim. Me vendo por um olhar.

E quando tenho o seu cheiro agridoce nos meus dedos, eu penso em como é estranho tudo isso.

Olho pro teto vermelho do meu quarto e penso, é hora de mudar essa cor. Mas eu vou mudar de casa. E prometo que levarei meus travesseiros ou melhor os substituirei por novas amizades soniferas. Sim, tenho 4 travesseiros, todos com um objetivo especifico de melhorar meu sono.

Mas nada me faz dormir tão bem no frio da minha cama vazia quanto seu cheiro. Seja no meu corpo. Seja nos meus lençois. Seja na minha mente perturbada. O problema ou não, são os sonhos que por ventura vem me assolar durante…sonhos bons apesar das palavras.

Todos sabem que sou viciado em cheiros e olhares. Os sorrisos estão em crise comigo, mas já foram campeões de audiência. Então uma mulher cheirosa, com um olhar incisivo e um sorriso encantador não precisa de muito mais…

Anúncios

Listando paixões

21 de julho de 2010

Adoro listar coisas. Melhores cantores. Jogadores. Cobradores de falta. Goleiro. Foras que já levei. Melhores beijos. Sexo. Melhores dias que passei trancado no meu quarto. Camas. Carros que dirigi. Pilotos de F1. Frases que meu pai já disse. Viagens. Livros. Filmes. Frases de livros ou de filmes. Celulares. Jogos de Video-game. Gols. Camisas de Times. Basquete. Tênis. Copas do Mundo. Música dos Engenheiros do Hawaii. Discos do Pearl Jam. Iron Maiden. Vocalistas do Black Sabbath. Tudo.

Ponho em uma ordem pra eu saber. Adoro ordenar as coisas. Então ontem numa daquelas noites sem fim, sem sono. Sem ninguém pra conversar. Resolvi listar minhas paixões. E pela primeira vez na vida não consegui ordená-las. Não queria ser injusto e classificá-las por duração. Nem sempre o tempo mede intensidade. Não sabia qual critério usar. Não queria magoar ninguém no meu íntimo. Decidi que o iria fazer pela quantidade de marcas que ficaram no meu coração. Quanto cada paixão deixou. Mas aí não seria justo porque algumas feridas ainda estão abertas e outras ainda se formando. Nunca se sabe quais deixarão cicatrizes. E por essas que invejo Nick Hornby no seu Alta Fidelidade.

Decidi que não dava, me dei por vencido. Pela primeira vez não conseguia listar alguma coisa. Determinar o quanto uma paixão foi dolorida não é possível. Cada dor é uma dor. A propósito já fiz uma lista das piores dores que já senti. Físicas. Não mentais.

Impossível.

Então resolvi listar coisas mais tranquilas como sorrisos.

Pequena Princesa

19 de abril de 2010

Todos que me conhecem, sabem que a maioria dos textos daqui são autobiograficos, e muitas das declarações são pra mesma pessoa. Hoje mudarei o foco.  Quando ela ler saberá…vocês não.

Por muitos anos quis dizer tudo isso, você seguia em seu mundinho, seu pequeno planeta. Fazendo as coisas ficarem iguais nos mínimos detalhes. Era como o ‘pequeno principe’ versão feminina. Precisava realmente voar e conhecer ares novos.

Eu costumava descrever sua vida como uma mesa de trabalho, ou mais condizente, uma prancha de arquiteto. Mas daquelas em que cada coisa está no seu lugar, sem nada torto, nada desorganizado. Como um nado sincronizado estático.

E eu, oposto disso tudo, com a minha vida tão confusa quanto a América Central apareci. Parecia uma criança quando viu a sua ‘mesa/vida’ e simplesmente bagunçou tudo, derrubou tudo, e você tinha o prazer de arrumar. Por isso a gente se dava tão bem…

Paixão. Loucura. Riscos. Sonhos.

Uma pena eu ser ‘instável’ como você repete diariamente desde então.


Na minha ultima ‘reviravolta’, simplesmente virei as costas e fechei a porta. Deixando você com sua bagunça e aquele olhar de WHat The Fuck?

Fúria. raiva. ódio. frustração.

Mas como uma pessoa super certinha, perdoaste. Apenas bons amigos…

Arrumaste sua mesa, decidiste encontrar a pessoa ‘ideal’. Aquele que avisa que algo está torto, que te corrige, te ajuda a arrumar. Felizes para sempre?

Sorrisos. Beijos. Te Amo. Forever.

Mas o certo, o estável não era tão estável assim. Sem explicação cansou de tudo e de todos. Hasta La Vista, Baby.

Raiva. Fúria. óDio. Frustação.

Você mesma desarrumou a mesa. Atirando os ‘objetos’ nas paredes. E agora?

Ainda estou aqui. Não sou mais criança. Não sou mais um furacão. Apenas um leve brisa. Ainda com sonhos impossíveis e planos mirabolantes. Mas acredito ser o que você precisa. Um pouco de aventura, agora com pitadas de moderação.

Quem viu meus últimos relacionamentos, acredita que sou o freio de mão só você sabe que não.

(Agora lembrei daquela música dos Engenheiros do Hawaii: “Cansei de alimentar os motores Agora quero freios e air-bag”)

Bem, Pequena Princesa, fica aqui a sugestão. Ainda bons amigos?

*qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais é mera coincidência*

Ps. Se ficares com raiva de expor sua vida assim, me desculpe. Mas provarei por A + B que estou certo. Em outro post.

Ps²: Sei que estou me dando muita importancia, mas o texto é meu e faço como quero.

%d blogueiros gostam disto: