No Vai e Vem (George Raposo)

24 de maio de 2008

No vai e vem do dia a dia
Me perco facilmente de você
Meu coraçao ainda resiste
Mas não sei até quando posso deter

Às vezes parece que nada pode nos unir

No vai e vem do seu mundo
Não há espaço pra nós dois
Seria tão bom poder esquecer
E deixar os problemas pra depois

O que mais dói é não ter pra onde ir

Ruas escuras me levam pra onde você está
Em cada esquina posso te sentir
Tuas pistas não me levam a nenhum lugar
Todo lugar parece ser igual sem ti

No vai e vem da nossa vida
Só há pedras nos caminhos
Porque não podemos? porque não?
Se nós dois estamos sozinhos

às vezes parece que nada pode nos unir

No vai e vem da ilusão
Nos meus sonhos estará
Seu sorriso quase timido
Mas não vejo o seu olhar

O que mais dói é não ter pra onde ir

Empecilhos podem estragar nossa união
Canções que sempre iremos gostar
E por fim, estamos os dois na solidão
Com medo, louca vontade de se abraçar

às vezes parece que nada pode nos unir!

Anúncios

Dizem que eu estou cego pra vida
De alguma forma não tenho olhos pra ninguém
Só pra mim mesmo

Já cansei de lutar contra algo que não posso ver
E se eu largar os meus sentidos
Talvez faça sentido continuar

Sozinho pelas ruas, ouço algumas vozes
Enquanto assobio uma cançao
Talvez nao haja mais flores no jardim
Estão presas entre o medo e a coragem

Se um passo atrás
Significa alguns a frente
Retroagir…Evoluir
Talvez faça sentido continuar

As folhas secas, as flores murchas
Os jardins suspensos
E o ar mais rarefeito do que nunca

Com mais tempo, mais luz
Mais estrelas caindo do céu
Talvez eu volte, talvez eu grite
E faça tudo diferente

Por um segundo eu fico cego
E nego tudo que acreditei
De um lado você, de outro você
E por cima nuvens de algodão

Talvez faça sentido continuar

Prendo a respiração
As maos tão frias de suor
E as batidas na porta

Desatinam e fazem-me esquecer
Que nada disso é
Como seria, se não fosse vocÊ

É Complicado (George Raposo)

4 de maio de 2008

É complicado
Não quebrar seu teto de vidro
É complicado
Mas até que enrolo bem

Você joga as pedras
eu tenho que desviar
e quando você acerta
vem me consolar

É complicado
entender sua cabeça
É complicado
mas até que enrolo bem

Você atira sem saber
Fecha os olhos e agora?
É preciso aprender
Mas não vou embora

É complicado
Fazer você feliz
É complicado
Mas até que enrolo bem

Você se esconde do perigo
E me pede proteção
Estar contigo é vício
Talvez nao tenha salvação

É complicado
Ler seus pensamentos
É complicado
Mas até que enrolo bem

Você me xinga sem porquê
Depois me diz: “foi mal
Se eu fosse você
só diria tchau”

Respondendo ao desafio do meu amigo que não tem papel, sinto em desapontá-lo, que devido a uns problemas eu não tive tempo de fazer em forma de versos ou cordel.

1 – Ter filhos
2 – Conhecer a Vila Belmiro (cheia e vazia)
3 – Escrever um livro
4 – Fazer uma música
5 – Ir Na Europa
6 – Entrar em um Fórmula 1
7 – Manter meus grandes amigos
8 – Ser feliz

Abraço.

%d blogueiros gostam disto: