Antes, depois, sempre. Te amo.

13 de setembro de 2010

Ela. Sim, amigos, é ela. Dessa vez não falarei de amor carnal, paixão avassaladora, sexo e sacanagem. Nada de desejar o corpo. Nada de procurar os beijos dela no canto da balada. Falarei de muito mais. Algo bem maior. Quase uma ligação de almas. Quase uma interação predestinada. Uma ligação tão forte que não pode ser descrita em palavras. Pelo menos, não nas línguas conhecidas. Repito, é ela.

No dia que nossos olhos se cruzaram. Alguns amantes de vampiros brilhantes diriam que era um “imprint”. Eu não sei. Precisava dela. Tal qual um stalker. Segui seus passos virtuais. Até que ela me deixasse aproximar. Sinceridade. Amizade. Anjo-da-guardisse. Tenho 738 expressões que poderiam somar-se e dizer o que ela representa pra mim.

Tenho que protegê-la do mundo lá fora, ou seria o contrário? Não consigo passar mais de 120 segundos sem pensar nela. Acho que será assim pra sempre. Mesmo que o pra sempre um dia acabe.

Poderia transformar em poesia o magnetismo que tenta nos unir a todo instante. Mentalmente. Calormente. E todos outros “mente” que podem existir. Todos advérbios de modo. Do modo que você faz meu coração bater. Um marcapasso moderno e de carne e osso. MEu anjo. De pele bem branca com um sorriso tímido. Eu te amo.

Não tenho vergonha de repetir isso quantas vezes forem possíveis. Acredito que tu acreditas que é verdade. Nem que a gente só ande de mãos dadas pelo Ibirapueras da vida. Só queria dizer. Nem que entre por um ouvido e atravesse seus tímpanos sem ecoar.

Não, essa não é apenas um declaração de amor. É uma exposição devassa do meu pensamento. Talvez as repetições a façam sorrir. Quero você bem. Maior que tudo e todos. Olhando por cima. De braços abertos sentindo o vento buliçoso balançar os seus cabelos. Eu te amo de novo. E enquanto puder estarei amando. Com gerundios e participios. Como um querubim que vela teu sono pela janela. Vem pra cá. Vem logo. Te espero. Te espero. Saudades de seu olhar profundo. Lendo os meus pensamentos. Buscando no meu HD algo que arranque um sorriso leve.

Tá tarde agora. Já desabafei. Vou dormir. Espero que estejas em meus sonhos. Não sou ambicioso, não quero estar nos seus. Um pensamento leve por dia pra mim já basta. Eu te amo e não quero nada em troca. Só saber como você está. Mesmo que eu enrole tus e vocês. É porque embargas meu raciocinio quando estás distante. Antes. Depois. Sempre. Nunca mais só. Te amo.

Anúncios

Conhecer uma pessoa é algo bem complicado. Começar um relacionamente, então, nem se fala. As conversas do primeiro encontro sempre são legais, tudo é aceito. Dificilmente se tem revelações bombasticas e você chega em casa pensando que foram feitos um pro outro. Ela gosta de futebol, de rock inglês e também toma caipirinha. Ele gosta de filmes europeus, leu Clarice Linspector e sabe os nomes dos discos do Strokes.

No primeiro aniversário de namoro ele compra uma camisa feminina do Santos e ela dá a ele uma coletanea de poemas do Pablo Neruda. Resolvem sair pra jantar e comer sushi. Ele come cada peixe cru sem reclamar, mesmo odiando aquilo pedacinho por pedacinho. Ela o acompanhou até Rio Claro num sabado pela manhã pra assistir Rio Claro x Santos por um campeonato júnior qualquer. Tudo é bom demais, tudo tranquilo.

Logo, aquilo cansa. Aquelas pequenas mentiras que usamos pra agradar ao próximo começam a pesar no resto do relacionamento. Não tem mais como desmentir. Então o jeito é tentar curtir aquilo, mas a diversão já era.

A voz do vocalista do Strokes começa a encher o saco. O uniforme branco daquele time começa a ser motivo de medo. Domingos a tarde vendo Tv. Peixe Cru. Filmes europeus que não fazem sentido. Vampiros que brilham no sol. Tudo isso começa a irritar.

Então vocês já sabem onde isso tudo vai dar. Fim. Então, temos que buscar nossa alma gêmea genuína, mas isso quase que se torna impossível. O jeito é aceitar os defeitos do outro, gostos e vontades. Todo mundo gosta de coisas. E cada um tem seu espaço. Devemos aceitar as diferenças e conviver com elas. Isso é amor.

Cupidos e Querubinas

9 de julho de 2010

“Você era um cupido e foi expulso do céu por contrariar a primeira claúsula petrea: não se apaixonar.”

Essas palavras ecoavam em sua cabeça. Conheceu toda sua história. Agora lembrava ou pelo menos sua mente parecia ter lembrado. Como era o chefe da legião cupidíca e se apaixonou por uma querubina. Paixão descoberta e não concretizada. Ambos perderam tudo. Memória. Asas. Poderes. Jogados na terra para viver como humanos.

Até que um dia, um ex-serafim contou-lhe sua história.

Pensou em procurar seu amor. Mas não sabia nem por onde começar. A vida toda sem saber de nada. Será que ela já fora avisada. Será que sabia? Se lembrava.

O serafim ainda lhe disse que um poder lhe restara. Ele possuia um veneno em seus dentes que era capaz de fazer qualquer mulher se apaixonar por ele. Fazia efeito por 4 anos. Agora algo fazia sentido em sua vida.

Com ajuda do anjo, aprendera a soltar esse veneno. E usar outros poderes sensoriais menores que só os ex-anjos possuíam. Desocbriu que se os dois se encontrassem Deus deixaria o amor continuar por toda eternidade…

E agora a busca começa…

Pra recuperar o amor, as asas, aureolas, poderes…e tudo mais. De volta ao céu.

%d blogueiros gostam disto: