Por que eles sempre ganham?

31 de maio de 2010

Estava me perguntando por que certas coisas são assim. Por que pra alguns é mais fácil. E de repente a luz apareceu. Assistindo a um filme que há tempos não via.

Em “Prenda-me se for capaz” há um dialogo entre Frank Abgnale Jr (Di Caprio) e o detetive Carl Hanrraty (Hanks)

– Sabe por que os Yankees sempre ganham?

– Porque eles tem Mickey Mantle?!

-Não, Por que todo mundo fica olhando pras listas!


Pode ser que pra vocês esse dialogo não faz sentido algum. Mas o que eu aprendi com isso é que não basta você ter os melhores jogadores. Você tem que ter “camisa”, meter medo no adversário, uma admiração quase “idolátrica”.

Trazendo isso pra nossa vida.

Não adianta você ser o cara mais adequado praquilo. Tem que ter “fama”. Tem que ser algum tipo de objeto de admiração. Sendo assim você sempre ganha. São Luís é assim…você tem que conseguir primeiro a mídia. Aí então, terá a glória.

Agora, se vocês pensam que eu darei o caminho pra chegar na mídia, estão enganados. Mas eu já tenho a fórmula ideal. Só que prefiro ter o Mantle no meu time. De segunda divisão. Gosto de surpreender.De ganhar jogos que parecem perdidos. Essa é a diversão. Esse é o prazer do jogo.

# Indico: “Prenda-me se for capaz”. PRa quem gosta de baseball tem “61 – História de um recorde” que conta a história de Roger MAris e Mickey Mantle.

# Indico: The Clash! Ouçam, por favor.

# Indico: Tristan – Cavaleiro de Artur. LEiam!

* estou jogando pra perder, parece que não tem nada a ver mas assim que tem que ser *

Anúncios

Não!

31 de maio de 2010

Rir. Talvez seja o melhor que eu posso fazer por alguém. Trazer ou levar doses de alegria para as pessoas. Sendo em piadinhoas inteligentes, sendo em comédias pastelão. Não sou um cara a ser levado a sério. Talvez isso me atrapalhe, mas e legal assim mesmo.

Posso fazer um poema que diga:

“Menina, você é tão linda quanto

Um jardim cheio de flores multicoloridas

O seu corpo é um livro que tento

Com toda força incluir em minha vida”

é fácil. Basta juntar palavras, uma atrás da outra. Uma hora faz sentido. Alguém gosta.

E pra fazer sorrir. Basta ter uma cara de cachorro abandonado. Todo mundo sente pena e ri da gente. Eu seria um bom comediante. MAs não. Sou um simples ‘eu’. Escrevo linhas, falo besteira, como todo mundo.

Mas, por favor, não pensem que eu sei o que estou fazendo…

Não tenho nada de especial, portanto não me sigam. Não salvarei ninguém. Não serei solução. Sou só mais um problema.

* Just because I’m losing doesn’t mean I’m lost *

Amigo Nerd.

30 de maio de 2010

Lá está ela, sentada com seu vestido amarelo. Tomando um café, lendo jornal. Bela, seu lulu da pomerania descansa aos seus pés com a elegância de um duquesa. Ela estava na mesa lado, com seu casaco da Argentina. Tomando Frapuccino e lendo a Placar. Seu melhor amigo, Boris um samoieda, mordisca o pé da mesa…

O mundo é um paradoxo.Então ela olha ele e trocam um sorriso bobo. Nessa hora ele pensa em sentar-se perto dela.

Ao se levantar chega um malhador com sua regata. Um pitbull chamado Killer com sua coleira de espinhos. Com uma caneca de cerveja na mão e uma playboy na outra. Dá um beijo nela e então os dois vão pra casa abraçados…

A vida é bem irônica. Cuidado, amigo nerd!

*Bem amigos, eu não sei mais o que eu tô fazendo, mas confiem nimim*

Sonhos e planos…

29 de maio de 2010

Expectativa. Pense numa coisa que dói. Esperar muito de algo. Sonhos planos. Tudo indo pelo ralo. Já tive muitas decepções, hoje em dia não planejo quase nada que dependa de alguém.

Deixar o coraçao nos levar, pode nos levar ao precipicio. Mas também, se ele tiver GPS, podemos chegar ao Paraíso. O mais belo nirvana. Nuvens que mais parecem algodão doce. Eu e você de mãos dadas num jardim de flores.

So Sally can waits…

Então, eu me acostumei a fazer tudo certo até que no momento crucial eu piso na bola, falo demais, faço demais ou de menos. E então tudo desmorona. Tenho tido sorte de conseguir sair de baixo antes …

Todo mundo sempre se pergunta: Quando é que George vai fazer alguma merda e estragar tudo?

Esse sou eu.

sorrir

28 de maio de 2010

Eu, parado na esquina, tomava um café. Na verdade era uma dose de whisky com red bull. Procurando esquentar um pouco as coisas. Esfriar a cabeça. Sorrir novamente. Ela apareceu. Sorrindo. Como há tempos eu não via ninguém.

MAs ela não sorria pra mim, nao sorria pra ngm. Só pra si mesma. Pra felicidade de sua própria convicção. Era só o que bastava.

Queria ser assim. Sorrir por mim mesmo. Sem precisar de ninguém. De nada. Só da minha própria felicidade. Hoje, até tenho sorrido de mim, da minha estupidez. MAs isso é outra história.

* Fico feliz por estar agora na sua vida, conhecer teu mundo. SEm querer nada em troca. *

Algo que tenho reparado com bastante recorrência é a quantidade de relacionamentos sérios acabando. Casamentos de longa data são desfeitos, namoros duram semanas, noivados são interrompidos sem grandes explicações e cada vez mais a troca de parceiro se dá como uma troca de roupa. Isso me faz traçar uma analogia entre os relacionamentos de hoje, os términos e cachorros. Meio estranho, mas explico.

Quando você vai comprar um cachorro, geralmente analisa as características da raça, se o bicho tem as qualidades que você procura e valoriza, se é bonitinho, companheiro etc (alguns até exigem pedigree). Algumas vezes você não está atrás, mas um conhecido te apresenta e tece os maiores elogios sobre o animal que te comove e você acaba levando ele pra casa. Tal qual a escolha de um parceiro.

Quando ele chega em casa é uma maravilha. Você quer estar sempre ao lado dele, fazer seus mimos, brincar, cuidar, passear e conforme ele vai fazendo besteirinhas pela casa, você vai educando-o até ele se adaptar com suas vontades. E de acordo com as necessidades dele, você também faz suas concessões (como ter que levá-lo para passear de madrugada). Muitas vezes o cãozinho não vai se adaptar com alguém da sua família e vice-versa. Vão falar que ele não serve pra nada, que só dá trabalho e ele não fará questão alguma de ficar ao lado dessa pessoa. Pouco importa o que falam, o que importa é que você gostou dele. Tal qual o início de um relacionamento.

Bom, passam-se os anos e aquele gás inicial não é mais o mesmo. Porém, ele ainda faz festinha quando você chega, mas já não tem o gás para brincar e te dar atenção toda hora. Você o entende perfeitamente e sabe quando ele está bravo, quando está feliz e o que fazer para animá-lo. Os defeitinhos que ele tinha quando bebê se tornam inconvenientes (latir para tudo, fazer coco fora do lugar, roer suas coisas, etc) e ai você perde a paciência, dá uns berros e briga. Porém, depois de um tempo você se arrepende e volta atrás com algum mimo para ficar de bem. O processo começa a se tornar mecânico, mas o sentimento que você tem por ele é legítimo. Tal qual o amadurecimento de uma relação.

Passa-se o tempo e ele começa a ficar velhinho. Já não faz festa quando você chega. Parece que fica mais feliz com um prato de comida que os carinhos que você faz nele. Você olha os cachorros mais novos de outras pessoas e dá aquele aperto no coração, pois o seu não é como eles. Ele começa a fazer um monte de besteira, xixi fora do lugar, ronca alto, começa a ter cada hora um tipo de problema e os seus gastos (físicos e financeiros) com ele vão aumentando. Se ele não falece, você pensa em qual atitude tomar. Ele já está todo comprometido, você está se desgastando e não tem mais tempo de sobra para cuidar dele, pensa em sacrificá-lo, mas uma parte de você diz que não, pois ainda tem um sentimento muito forte por ele. Não é fácil, deixar os dois sofrendo até que o destino resolva ou tomar uma atitude dura para que o sofrimento dure apenas uma vez? A decisão é difícil. Tal qual o fim de um relacionamento.

(post roubado descaradamente daqui o blog Manual do Cafajeste)

Pobre paulista

26 de maio de 2010

São Paulo. Cidade sensacional e sei lá, tem cheiro de sacanagem no ar. Não é cigarro, nem fumaça. (Tá bom, admito que dei uma volta na Augusta, mas só pra ver como é). Mas mesmo andando na Paulista se sente a sacanagem. E eu gosto disso. Gostei da cidade desde a primeira vez que a vi. (Sem São Paulo ôÔÔôÔ…) …

Ontem a noite foi boa, conversar sempre é bom. E conversar sacanagem é melhor ainda. Foda. Sou muito fã de mulheres que falam mesmo. Tenho pequenas reservas com palavrões, mas putaria é bom demais. E chopp gelado.

É diferente. SEm julgamentos. São Paulo. Férias sempre é bom. E mesmo nos momentos como agora, sozinho no apto. Tem sempre alguma merda pra saber. Sacanagem.

Inspiração zero. Testosterona mil. São Paulo. (Pobre paulista).

* Em cada esquina que passo eu só olho você, por que não vens logo pra cá? *

%d blogueiros gostam disto: