dialogos desnecessários

30 de julho de 2010

Andando pelas ruas do São Francisco procurando um prédio com nome de mulher que eu não tinha a mínima idéia de que lado estava me deparo com um desconhecido que me interpela:

– Tu é @gdinamite, não é?
– Sim
– Então é tu o cara que fica “tomando gosto” com a minha mulher no twitter?
– Depende. Quem é tu mulher?
– @fulaninha . Tu segue ela que eu sei.
– Rapaz, tu tem é que agradecer a Deus. Com a mulher que tu tem homem nenhum vai tomar gosto, te garanto.

E continuei andando a passos acelerados com medo de receber um chute ou um soco pelas costas, olhando de canto de olho pra ver se ele me seguia. Mas ele foi na direção contrária. Pensando na vida. Isso que dá botar seguro e alarme num Fiat 147. Quem vai querer roubar?

Até agora não estou acreditando nessa história. Tenho que tomar cuidado com o que falo no twitter.

A propósito achei o tal prédio e era nome de homem. Peguei minha cortesia do primeiro sorteio que ganhei no twitter…

Anúncios

A Origem Do Amor

30 de julho de 2010

Cá estavaeu vasculhando os muitos canais da minha Tv, quando me deparo com um filme chamado “Hedwig – Rock, Amor e Traição”, uma ópera rock sobre um transexual alemão nos EUA. O filme não importa muito, mas uma coisa que me chamou muita atenção foi um pequeno mito grego sobre a origem do amor. Que tentarei reproduzir por aqui.

Nos primórdios da Terra, vários povos vagavam sem saber o que era o amor. Essas “pessoas” tinham 4 pernas, 4 braços e 2 rostos. Existiam três especies ou sexos, como queiram.

Os filhos do Sol, eram como dois homens grudados pelas costas. Os filhos da Terra eram como duas mulheres. E por fim, os Filhos da Lua que eram parte homem, parte mulher.

Eram todos felizes. Não conheciam os problemas.

Mas os Deuses começaram a temer o poder daqueles seres duplos. E pensaram que se dividissem, logo o “poder” das pessoas seria reduzido a metade. E então, eles, Deuses, não seriam ameaçados.

E num show pirotécnico comandado por Zeus e seus raios, todos os Filhos da Terra, Sol e Lua foram cortados ao meio. E algum deus Hindu desconhecido costurou as feridas e amarrou num buraco em nossa barriga pra lembrarmos dos nossos erros. Então, Osiris fez uma grande tempestade com ventos e espalhou todas pessoas pelo mundo todo.

Por fim, os Deuses com suas vozes bem altas alertaram a todos. Se continuarmos com a ganância e anseio pelo poder seremos cortados de novo e vagaremos com um pé e um olho.

Eu estava lá. Era um filho da Lua. E lembro de ter visto minha alma gêmea sendo retirada de mim. Nos olhamos, mas não pudemos nos fitar direito pois ela tinha sangue no rosto e eu sangue nos olhos. Mas reconheci aquela expressão, aquela dor na alma. Era igual a minha.

Nesse dia eu conheci a dor que corta uma linha pelo coração. É o que chamamos de amor. Então desde esse dia eu procuro quando estamos fazendo amor nos abraçar tão forte que parece que nossas almas tentam se juntar.

Assim foi a origem do amor.

modelo

30 de julho de 2010

Sei, amor, que eu sempre reclamo quando você inventa de tirar fotos minhas enquanto dirijo. Não é que eu não goste de você ou de fotos, ou muito menos do meu perfil pela direita. Só não gosto de ser modelo. Pra nada. Nunca fui exemplo a ser seguido, nunca falo nada a ser lembrado por um pseudo-intelectual no twitter.

Não, amor, minha vida não é tão feliz como as fotos do meu álbum do orkut. Mas também não é tão triste quanto os textos do meu blog.

Conhecer uma pessoa é algo bem complicado. Começar um relacionamente, então, nem se fala. As conversas do primeiro encontro sempre são legais, tudo é aceito. Dificilmente se tem revelações bombasticas e você chega em casa pensando que foram feitos um pro outro. Ela gosta de futebol, de rock inglês e também toma caipirinha. Ele gosta de filmes europeus, leu Clarice Linspector e sabe os nomes dos discos do Strokes.

No primeiro aniversário de namoro ele compra uma camisa feminina do Santos e ela dá a ele uma coletanea de poemas do Pablo Neruda. Resolvem sair pra jantar e comer sushi. Ele come cada peixe cru sem reclamar, mesmo odiando aquilo pedacinho por pedacinho. Ela o acompanhou até Rio Claro num sabado pela manhã pra assistir Rio Claro x Santos por um campeonato júnior qualquer. Tudo é bom demais, tudo tranquilo.

Logo, aquilo cansa. Aquelas pequenas mentiras que usamos pra agradar ao próximo começam a pesar no resto do relacionamento. Não tem mais como desmentir. Então o jeito é tentar curtir aquilo, mas a diversão já era.

A voz do vocalista do Strokes começa a encher o saco. O uniforme branco daquele time começa a ser motivo de medo. Domingos a tarde vendo Tv. Peixe Cru. Filmes europeus que não fazem sentido. Vampiros que brilham no sol. Tudo isso começa a irritar.

Então vocês já sabem onde isso tudo vai dar. Fim. Então, temos que buscar nossa alma gêmea genuína, mas isso quase que se torna impossível. O jeito é aceitar os defeitos do outro, gostos e vontades. Todo mundo gosta de coisas. E cada um tem seu espaço. Devemos aceitar as diferenças e conviver com elas. Isso é amor.

ao dizer que te amava.

29 de julho de 2010

Onde deixei meu coração?
Nas suas palavras mordazes que me partiram o peito
Contando os meus defeitos a quem quisesse ouvir
Ou foi quando perdi o senso do ridiculo
Ao dizer que te amava.

Drama Mexicano

29 de julho de 2010

Tudo o que não quero dizer
É exatamente aquilo que você quer ouvir
É aí que a vida parece um filme
Um drama mexicano

só um sorriso.

29 de julho de 2010

Você apareceu na minha frente
Como um fantasma no porão
Ali parada, só sorridente
Destroçando o meu coração

%d blogueiros gostam disto: