A receita do amor

30 de novembro de 2012

Há uma receita para ser feliz no amor. Não acredite em ninguém que diga o contrário, também não acredite em quem diz saber exatamente como é essa receita. Todos querem vender uma certeza que não lhes pertence, quase um criminoso. Como aqueles que a gente vê vendendo mercadorias roubadas.

Se ninguém sabe qual é a sua receita como se pode afirmar que a receita existe? Como um escritor espanhol escreveu certa vez: “yo no creo em brujas, pero que las hay, las hay”. É uma questão de fé. Todos nós nascemos com uma receita da felicidade amorosa dentro de nós. Cada um tem a sua, diferente de todas as outras.

Por muito tempo vendeu-se a ideia que para sermos felizes devemos procurar alguém que tenha uma receita igual a nossa. Que seja o mais parecido com a gente. Ledo engano. Outra teoria é que os opostos se atraem. Que devemos buscar a pessoa mais diferente possível da gente. Outro erro crasso.

O que devemos procurar é uma pessoa que tenha os ingredientes que faltam em nós mesmos para completar a receita. Outra analogia a ser feita é um quebra-cabeça, mas aí vira um clichê hollywoodiano e depois vamos começar a falar de tampas de panela e coisas afins.

E como se faz o que a receita dita? Quais são as coisas mais importantes de uma receita? Temos que ir à feira e comprar boas verduras, legumes, temperos, carnes e etc. Com bons ingredientes a nossa receita tem tudo para dar certo. Basta saber procurar e ter paciência para juntá-los.

Ninguém disse que tudo é assim tão fácil. Todo mundo sabe que a vida é jogada no modo very hard e não temos continue infinito para gastar. A tarefa de encontrar a pessoa com os ingredientes certos é árdua e mesmo depois de encontrá-la não se tem nenhuma garantia de que dará certo.

Como eu, existem milhares de pessoas que são fracassos na cozinha. Eu sempre achei que fazia tudo certo. Tinha escolhido os melhores ingredientes, procurado no Google o passo a passo detalhado da receita e mesmo assim o resultado era um desastre. Talvez eu não tenha, simplesmente, o dom. Isso também pode ser transportado para a vida amorosa. Existem pessoas que não foram feitas para isso.

Essas pessoas costumam lamentar-se dizendo que não existem pessoas que possam “completá-las”. Isso não é verdade. Provavelmente já tenha passado por sua vida alguém que possua os ingredientes perfeitos para sua receita. Você apenas não soube extraí-los.

Mas o que diabos tem nessa receita? Essa receita contém uma explicação detalhada daquilo tudo que a gente precisa em outrem para sermos felizes. Quase um pequeno manual de convivência, quase uma bula de remédio. Aquelas baboseiras de “mulher ideal” advém dessa receita. Pessoas que têm pequenas epifânias e visualizam brevemente as receitas passam a deturpar o conteúdo delas. Quase como as visões religiosas.

Não quero aqui ensinar ninguém a fazer a sua receita. Nem quero que vocês sejam felizes. Não tenho a mínima vontade de mudar o mundo nem ao menos o meu bairro. Quero que tudo continue o seu curso e que as águas continuem em direção ao mar.

O que eu quero dizer é que todo mundo pode ser feliz. Não existem infelizes crônicos, por mais que você queira alardear aos quatro cantos a sua miserabilidade. Todo tem uma receita para a felicidade e muitas vezes os ingredientes não estão em uma única pessoa. Estão divididos em várias. Em todos que o rodeiam, não apenas o amor da sua vida.

É possível extrair temperos das namoradas, dos pais, dos amigos, dos animais de estimação, das redes sociais, dos videogames, das séries de TV, dos filmes coreanos, das músicas ciganas. Enfim, de qualquer coisa. Você tem que procurar ao longo da sua vida esses “itens” escondidos. Como um jogo bem complicado que jogaste semana passada.

É possível ser feliz sozinho! É possível ser feliz solteiro! É possível ser feliz de qualquer jeito, você tem apenas que escolher as várias formas de felicidade que estão em sua receita. Além disso, é preciso confiar na sua receita. Ela é moldada com tudo aquilo que você tem vivido, às vezes ela é até mutante, muitas vezes é um compêndio. Um livro de receitas da Palmirinha.

Temos apenas que casar nossas loucuras gastronômicas amorosas com outra pessoa que seja igualmente louca. Temos que descobrir se o nosso banquete é realmente pleno ou não passa de um café com pão num barzinho da esquina. Falar de receitas é complicado, das fórmulas é impossível e ser feliz é mais que necessário.

Anúncios

Uma resposta to “A receita do amor”

  1. Melissa Says:

    Você sempre incrível, com tuas palavras.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: