só mais um degrau

12 de abril de 2012

Pra quê ter tanto medo? Mas, eu tinha. Sim, o verbo no passado. Você passou e eu tinha medo de você. Do jeito confiante que você parecia ter, sem se importar com nada nem ninguém. E de quando você bêbada parecia tão frágil quando as asas de uma libélula.

Aparecendo de madrugada na minha porta, pedindo companhia e silêncio. Para poder ouvir uma música do Caetano ou um CD do Raimundos. Tanta contradição em uma pessoa só e eu ficava acuado, com medo. Medo de te ganhar. Como uma criança que sonha com um brinquedo, mas não sabe como usá-lo.

Encostado na pilastra da boate eu observo você dançar, as luzes ululantes misturam com o seu sorriso e o brilho que seu olhar encontra o meu, perdido entre as longe necks e a música eletrônica. Você me chamou e eu fugi. Você me pediu que a salvasse e eu apenas dei a você o telefone da emergência. Fui covarde, tive medo, você me assustou.

Agora estou a milhas de distância no tempo e ao olhar pra trás vejo que você ainda é tudo que eu poderia querer um dia, mas acredito que o fim chegou cedo demais para nós dois. Agora você deve estar se divertindo em meio aos livros de Direito enquanto eu procuro patrocínio para alguém que não precisa de dinheiro. E talvez a gente esteja ouvindo a mesma música dos Engenheiros do Hawaii pensando em como poderia ter sido.

Se é uma palavra meio confusa, ninguém gosta do jeito que ela é usada, com pesar, nostalgia e uma falsa esperança que nunca virará concreto, mas todos a usam sem o menor pudor para dizer que tudo poderia ser diferente, mas nunca é.

Eu ainda tenho o cheiro de seu carro vermelho em minha pele, suas mãos macias tocando a minha e o jeito ofegante de beijar. Queria perder o rumo ao seu lado, tentar aflorar o seu lado guia para me colocar de volta nos trilhos e eu, então, poder seguir em frente olhando para trás com um sorriso. Esperando você voltar.

Eu poderia pedir desculpas ou sua mão em casamento, mas não quero mais sentir medo e ao seu lado era o que eu sentia todos os dias. Apesar de você ser tudo que eu jamais teria sonhado, apesar de você me dizer coisas tão engraçadas, estranhas e bonitas. Você está em um degrau acima do meu. E eu tenho medo de altura e não consigo te alcançar.

Anúncios

2 Respostas to “só mais um degrau”

  1. Melissa Lobo Says:

    Que lindo, e triste. As vezes temos medo do amor, outras de amar.

  2. Blaue Reiter Says:

    As pessoas abdicam do amor, não por que tem medo de ter, mas de conseguir e perder em seguida.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: