Muitos talvez

16 de fevereiro de 2012

Enquanto ela espera que alguma solução para tudo caia em sua cabeça como uma maça de algum físico famoso, o mundo gira cada vez mais rápido, estando você no Canadá ou dormindo na cama do inimigo. Ela é amante da paz de espírito, apesar de ter maltratado animais e criancinhas quando era mais jovem. Não tem um passado tão limpo quanto sua redação de volta às aulas.

E agora ela está sentada na carteira do canto, fingindo ouvir o que o professor está explicando, mas não dá a mínima. Não queria estar em nenhum lugar. Na verdade, queria estar em outro lugar. Numa praia ou numa vida qualquer. Sem barulho das buzinas, sem esquinas, sem dias frios e cambistas.

Escrevia seu nome como se quisesse esquecer quem era, desenhava corações e sombras ao redor das letras fingidas que preenchiam as linhas do caderno. Queria folhear um romance, de preferencia com um final feliz em que ela ficava com o principe encantado, mas sem cavalos brancos, por favor. Tinha pavor de cavalos.

Por fim, decidiu que iria voltar à realidade. À sua solidão entre livros e traças, descobrindo como montar um quebra-cabeças de 5.000 peças sem ter sua própria cabeça montada, talvez uma parafuso a menos, talvez sonhos demais e provavelmente, muitos “talvez” ao longo da caminhada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: