O Décimo Dia.

5 de outubro de 2010

Era chuva, um quase temporal.  O guarda-chuva dela era mera decoração aquela altura. Eu seguia seus passos molhados com o olhar da janela do meu quarto. A tempestada invadia o meu peito. Transbordando lágrimas e lamentos. E vê-la partir da minha vida me faz lembrar o começo. Clichê.

Primeiro dia no emprego, eu estava todo perdido. Terno alinhado, camisa branca, gravata vermelha. Um trainee convencional. Pasta executiva debaixo do braço. Barba feita, cabelo cortado. Tudo pra impressionar. Entro no elevado rumo ao 17º andar. No 4º ela entra. Não, eu não gosto de falar em elevadores. Na verdade, não tem nenhuma lei escrita que obrigue a pessoa a puxar um assunto dentro do elevador. Prefiro um peido fedorento do que aquelas palavras vazias e sem propósito.

Ela falou. Sobre vampiros, lobisomens e gatos. Logo eu que odeio felinos de estimação. Se fosse pelo menos um guepardo ou um tigre. Talvez sim. Ela não fazia meu tipo, nenhum pouco. Descobri que seria minha colega de trabalho e que era seu primeiro dia também. Trabalhar com aquela doida que falava demais e tinha os cabelos vermelhos e óculos de secretária não estava nos meu planos. Mas eu tinha que impressionar.

Surgiu um projeto gigantesco pra uma dupla que estava começando e então tivemos que trabalhar noite e dia, dia e noite, noite e dia, dia e dia, noite e noite. Quase 10 dias nisso. Era algum tipo de teste, tenho certeza. Uma prova do Aprendiz que com aquela mulher estava se tornado No Limite, sem as comidas nojentas. Foi quando deu um click.

– Posso colocar uma música pra desestressar?

Pensei em algo como Legião Urbana ou algum rock indie da moda. Mas nem dei ao luxo de responder. E ela colocou a tal música. I Can’t remember anything. Can’t tell if this is true or dream. Realmente eu não sabia. Metallica. One. E ela cantando a letra e dançando enquanto organizava os papéis sobre sua mesa. De repente se tornou a mulher mais linda do mundo. Perdi a meada. Perdi o fio. Perdi o compasso. Perdi o senso.

– Por que está me olhando desse jeito?

– Não sei, acho que estou apaixonado.

Ela sorriu e caminhou em minha direção. E sussurrou ao meu ouvido. Nothing Else Matters. E nos beijamos.

Engraçado como certas situações nos fazem mudar o jeito de olhar certas pessoas que sempre estiveram lá. Às vezes é outra pessoa que faz um elogio sobre algo que voce não tinha percebido. Outras vêm com o tempo e a convivência. Nem só de primeiras vistas vivem o amor. Às vezes é preciso 745 conversas pra coisa despertar. Pay attention e enjoy.

Now, the world(she) is gone and I’m just one.

*[ Taken my speech.Taken my hearing. Taken my arms. Taken my legs. Taken my soul. Left me with life in Hell. ]
*(Arrancou-me a fala. Arrancou-me a audição. Arrancou-me os braços. Arrancou-me as pernas. Arrancou-me a alma.
Deixou-me com a vida no inferno. )
Anúncios

Uma resposta to “O Décimo Dia.”

  1. Rafaela Says:

    E essa imagem do filme “500 days of summer”!? Adoreei esse filme. x) E gostei muito do post! =*


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: